Considerações sobre confiança, política e “confiança política” *

Confiança em alguém é aquilo que nos faz pensar e sentir que aquilo que esse alguém dirá e fará no futuro corresponde àquilo que nos disse e diz que diria e faria.

O curioso conceito de “confiança política”, ultimamente em voga, só deveria, forçosamente, poder significar: aquilo que nos faz pensar e sentir que aquilo que alguém dirá e fará no futuro, no terreno da política, corresponde àquilo que nos disse e diz que diria e faria, nesse mesmo terreno.

Na vida como na política, confiança é, na verdade, um conceito fundamental.

Em política, ele prende-se intimamente com outro conceito: o de mandato.

O mandato resulta da inevitabilidade de, em muitas circunstâncias, os muitos terem de delegar em poucos. Mandato é, assim, o que os muitos, os eleitores, os representados, os militantes, as “bases”, confiam aos seus eleitos, representantes, dirigentes, mandatários – que os primeiros escolhem e nomeiam em ocasiões específicas (reuniões, congressos).

Escolhem e nomeiam, sempre cientes de que, se esses eleitos ou representantes escolhidos não se mostrarem, na prática, à altura da confiança depositada, ou mesmo a traírem, se lhes poderá retirar o mandato na próxima ocasião.

Estes princípios foram constituintes do movimento operário, sindical e democrático ao longo dos séculos.

As trabalhadoras e os trabalhadores, que são os muitos e que, sendo muito explorados, suportam longos e pesados horários de trabalho, findo os quais têm de tratar de filhos, dos pais ou de si próprios, são obrigados, em circunstâncias “normais”, a delegar parte do exercício da sua vontade sindical, política, etc. em delegados ou eleitos.

Escolhem-nos segundo os critérios que lhes parecem adequados e conferem-lhes um mandato, mais ou menos explícito. Quanto mais explícito, melhor.

Inevitavelmente, alguns desses eleitos ou delegados revelam-se ambiciosos, ineptos, preguiçosos ou até trafulhas, trocando o mandato recebido pelas boas graças do patrão ou do governo.

Em tal caso, é natural e desejável que, o mais cedo possível, tais delegados, eleitos ou responsáveis sindicais ou políticos deixem de ter a confiança sindical ou política de quem os elegeu.

Também é certo que, como quem manda nisto tudo não anda a ver passar os comboios, é frequente que os governantes, ou os próprios burocratas que com eles se congraçam, ciosos de vantagens adquiridas, tenham a preocupação de criar mecanismos que tornem cada vez mais difícil que a perda de confiança política ou sindical dos eleitores nos eleitos, dos delegantes nos delegados, se traduza no afastamento desses eleitos ou delegados e na escolha de outros.

Tudo isto é o jogo da política.

Ultimamente defrontamo-nos, no entanto, com uma curiosa inovação e inversão de conceitos.

Conceda-se: é indiscutível que, individualmente, cada um de nós, mesmo dentro duma mesma organização, tem mais confiança numa do que noutro – em política, confiança política.

É um problema individual, que cada um gere como entender. Por exemplo, evitando certas pessoas e procurando outras.

Agora que eleitos, mandatários, representantes declarem, tirem ou ponham a sua confiança ou desconfiança política nos que são seus eleitores, mandantes e representados e daí retirem consequências políticas sobre o que a esses militantes é ou não autorizado – eis uma extraordinária inovação.

A única preocupação de quem exerce um mandato há-de ser certificar-se de que continua a ter a confiança política de quem o mandatou.

Já a confiança que, individualmente (ou até colectivamente), um mandatário ou representante tenha neste ou naquele seu eleitor, neste ou naquele seu representado, é problema seu. Não interessa a ninguém e não lhe confere nenhum direito.

Convém recordar que o único estatuto que é soberano e não delegado é o estatuto do membro, aderente, militante, eleitor – sempre que no gozo pleno dos seus direitos e não objecto de processo de exclusão, suspensão ou outra sanção estatutariamente prevista e legitimada.

O estatuto do representante, eleito, mandatado, é, em contrapartida, derivado e precário: sujeito, esse sim, às flutuações da confiança política de quem o elegeu e mandatou.

O contrário é um absurdo e um abuso sem nome.

* Adriano Zilhão

Não ao estado de emergência antigreve e pró-patronal – Via Esquerda

Um pensamento sobre “Considerações sobre confiança, política e “confiança política” *

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.