O perigo do fascismo para as mulheres *

Historicamente, o fascismo foi entrando como ideologia de massas, usando retórica contraditória e pezinhos de lã para seduzir as camadas mais desfavorecidas das sociedades onde se implantou e poder prosseguir o avanço do seu poder cada vez mais discricionário, autoritário e abominável.

As mulheres não são exceção enquanto público-alvo dos discursos fascistas para seduzir a população. Também em relação a nós, mulheres, o fascismo surge com um discurso de aparente valorização das mulheres, digo aparente, pois é absolutamente falso. Parecem valorizar as características femininas, mas apenas valorizam uma feminilidade subalterna e submissa à dominação patriarcal, pelos homens brancos, classe média e dominante, assim como religião dominante.

Parecem valorizar a maternidade, mas se analisarmos diferentes excertos dos seus discursos, essa valorização é apenas da função biológica de dar à luz, e nem a função social da maternidade valorizam. Veja-se, historicamente, que todos os regimes fascistas retiram direitos às mulheres na maternidade e às crianças.

Parecem valorizar a feminilidade, mas o que de facto valorizam e pretendem é a domesticização das mulheres, uma feminilidade submissa e assexuada. A sexualidade livre e prazerosa é algo que os fascistas apenas valorizam para o grupo dominante dos homens. Aliás, o policiamento autoritário dos costumes é algo comum a todos os regimes fascistas e Nazis, e fica evidente nos discursos da atual extrema-direita, a misoginia e o preconceito contra mulheres e homens que saiam das normas da ‘mulher bibeblot’ ou ‘fada do lar’ e do homem ‘machão’.

Curiosamente, um dos traços comuns é a raiva contra o “vermelho”. O fascismo português tinha uma polícia política muito opressiva, autoritária, torturadora, assentando na perseguição de todas as pessoas que não fossem submissas, passivas e cumpridoras das ordens do regime. Na pesquisa historiográfica da Fina D’Armada, ela encontrou registos na Pide do facto de Maria Lamas ter ido a um cinema ou teatro, no Porto, com um vestido vermelho.

Vejam-se as críticas feitas pela extrema-direita em Portugal, nesta campanha, ao baton vermelho de Marisa Matias, que desencadeou uma enorme onda de protestos. Também devemos prestar atenção aos preconceitos evidentes quando a extrema direita afirma gostar das mulheres “com sensibilidade” e, sobretudo, “calmas”, isto é, passivas e submissas. Ficam claros os gostos desta gente: como se os homens não fossem sensíveis, pois querem-nos violentes e agressivos, como se as mulheres não tivessem direito a expressar a sua opinião e a ser assertivas.

O discurso enganador mas encantatório — muitas vezes “desbocado”, para ser mais sedutor — pode ser desmontado, buscando partes do discurso ou da ação da pessoa fascista, que mostram claras contradições e evidenciam como algumas frases são meras construções falsas para agradar à maioria da população. Sabemos que as mulheres das classes sociais desprivilegiadas e subalternas, até pela dupla ou tripla jornada de trabalho, têm pouco tempo para prestar atenção e anotar as diversas partes dos discursos e procurar essas contradições. Mas temos e o fazer e lutar para afastar pessoas anti-democráticas que, desde logo, não deviam ter sido autorizadas a formar partido.

Também é preciso denunciar como as mulheres são, enquanto pessoas do sexo feminino, um dos principais alvos dos fascistas / Nazis. Não foi por acaso que, segundo a investigadora Sara Helm[1], que os Nazis construíram um campo de concentração especificamente para prender, torturar e assassinar mulheres. Concebido por Himmler, foi usado como ensaio do genocídio – como primeiro campo de extermínio de seres humanos do sexo feminino: mulheres comunistas, ciganas, prostitutas, de religiões subalternas, da oposição ao nazismo na Alemanha, da resistência dos países vencidos e colonizados pelo imperialismo nazi. Foi usado também para outras abomináveis atrocidades contra as mulheres: experiências com grávidas, entre outras.

O mesmo discurso enganador e retoricamente sedutor inclui, também, o “falar ao coração” das camadas mais pobres da população. Apresentam falsas declarações de que pretendem acabar com a pobreza, mostrando-se como “salvadores” e heróis contra todos e, sobretudo, contra todas. O falso radicalismo permeado de humor costuma ser muito sedutor até porque, por vezes, vai ao encontro de alguns sentimentos, que todas e todos vamos sentindo no regime de democracia liberal.

Portugal esteve mergulhado 48 anos em obscurantismo, miséria e falta de liberdades numa ditadura salazarenta, apresentada como salvadora da Pátria. As mulheres foram submetidas a uma ideologia que lhes retirou direitos e as subjugou à esfera da domesticidade.

Embora o discurso atual do neofacismo seja diferente desses tempos, existem mensagens comuns: o nacionalismo mesclado de salvador, a autoridade, a defesa das penas de prisão perpétua e, consequentemente, da pena da morte, o propagandear a valorização das mulheres respeitadoras e seduzidas pelo “chefe” que comanda os destinos da Nação.

As mulheres imigrantes, refugiadas, de diferentes raças e etnias, as mulheres trans e lésbicas são o alvo, de uma forma direta ou indireta do pensamento neofascista.

Como revolucionários/as, como esquerda consciente destes perigos, cabe-nos denunciar e desconstruir os discursos fascistas atuais que grassam por toda a Europa, pelo mundo e também por Portugal.

* Maria José Magalhães


[1] Helm, Sara (2015) Ravensbruck, História do Campo de Concentração Nazista para Mulheres, tradução, em 2017, para português pela Editora Record, do Rio de Janeiro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.