Quase invisíveis

Por estes dias (re)aprendemos a olhar o quotidiano. Vemos espaços, movimentos e pessoas antes na sombra. E trazemo-las à luz do dia. Que permaneçam. Sabemos, agora, como são importantes homens e mulheres que desempenham tarefas ditas subalternas. De tão desvalorizadas, quase invisíveis.

As escolas secundárias acabaram de reabrir. Muito se tem falado de professores e alunos, quase nada dos Auxiliares de Acção Educativa, vulgo, funcionários. Todavia, imagino que os últimos dias tenham sido para estes profissionais mais trabalhosos e cansativos. Afinal, são eles quem realizaram as operações materiais necessárias à reabertura das escolas. Da reconfiguração das salas à acomodação da logística. São a indispensável força de trabalho.

Em boa verdade, quase sempre os vemos assim, como a força de trabalho que cuida da manutenção das escolas. Desloca, limpa e restaura equipamentos. E, claro, associamos a esta tarefa, uma outra. A vigilância dos alunos. Em qualquer dos casos, são meros executores de tarefas rotineiras, repetitivas, mecânicas. Vemos mal. Tão mal.

Ignoramos o seu trabalho no acompanhamento informal dos alunos. Nos intervalos e nas poucas horas vagas são os funcionários quem zela pelo seu bem-estar contrariando comportamentos desadequados e, não raro, sossegando inquietações juvenis tão naturais quanto dramáticas. Esse é, também, um saber-fazer dos funcionários. Há quem o faça com empenho e dedicação esmerados. Lembro-me sempre das senhoras do bar que, com engenho e discrição, facultam aos alunos suplementos alimentares – decorrentes dos apoios socias – sem que os colegas da turma se apercebam. Fazendo de todos, apenas, miúdos.

Escapa ao nosso olhar formatado não só este trabalho de acompanhamento informal mas, sobretudo, a especificidades das tarefas funcionais de uma parte significativa dos auxiliares de acção educativa. Esquecemo-nos, por exemplo, da funcionária da biblioteca. Acolhe alunos e por norma, em simultâneo, faz a gestão do acervo bibliográfico; como uma técnica de ciências documentais de outra qualquer instituição. Com mais facilidade nos esquecemos daquele funcionário da portaria, também, responsável pela manutenção dos computadores da escola; como o técnico de informática de outra qualquer organização.

Importa ver melhor. E ser consequente. Considerar a justeza das suas reivindicações laborais. A começar pela contratação de mais profissionais, de modo a não sobrecarrega-los até à exaustão – utilizemos o eufemismo… Passando pela devida regulamentação funcional duma actividade progressivamente desconsiderada. Mas, para lá dos orçamentos e opções ministeriais, e das escolhas dos directores, muito para cá, importa reconhecer aos auxiliares de acção educativa dignidade profissional.

Numa escola com tiques autoritários, por vezes, refém de interesses exteriores, os auxiliares são figuras institucionais fragilizadas. No fim da linha, dificilmente são ouvidos ou tidos em conta. Por exemplo, em caso de contraditório com um aluno, é sabido, estão do lado errado da estória. A falha será sempre do auxiliar e não sendo está obrigado, no mínimo, ao esquecimento. Seria bom apreciar a sua história. Isso os gestores das escolas podem fazer sem qualquer decreto ministerial. Num acto voluntário. De justiça. Enquanto não chega o devido reconhecimento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.