É inadiável o investimento na ferrovia

A mitigação das alterações climáticas exige uma redução da emissão de gases de efeito de estufa (GEE), com descarbonização rápida da economia. Dados oficiais revelam que Portugal ainda se encontra a 23% de distância do seu objetivo de redução de GEE para 2030. Ora sabe-se que os transportes são responsáveis pela emissão de uma importante fatia destas emissões. Segundo a Agência Europeia do Ambiente, “Os automóveis, as furgonetas, … Continue a ler É inadiável o investimento na ferrovia

Será a limitação de mandatos apenas para alguns?

Todos/as concordámos com a lei da limitação de mandatos nas Autarquias Locais. Um consenso na sociedade e no Parlamento, que resultou (dados de investigações recentes) numa considerável renovação de candidaturas, contribuindo inclusivamente para baixar níveis de abstenção, fortalecendo a imagem de uma ‘classe politica’ em degradação vertiginosa fruto da ausência de ética, vícios enraizados e, neste caso concreto, da dificuldade em assumir que o exercício … Continue a ler Será a limitação de mandatos apenas para alguns?

HABITAÇÃO OU A FALTA DELA *

Ter uma casa para morar é um direito que a Constituição da República consigna, é, pois, um dever constitucional do Estado assegurar condições de habitabilidade ao nível das infraestruturas básicas aos cidadãos, direito consagrado, mas também um princípio essencial para a coesão e a sustentabilidade social.    A realidade é bem diferente e atinge uma situação de grande gravidade a vários níveis:    – Parque … Continue a ler HABITAÇÃO OU A FALTA DELA *

A GUERRA COLONIAL NÃO ACABOU

Nos 47 anos do 25 de Abril, lembrar os que foram obrigados a combater na guerra colonial não num serviço à pátria, como afirmou Marcelo Rebelo de Sousa na sessão solene do 25 de Abril na Assembleia da República e é a história contada aos pequeninos, mas em defesa dos «Donos Disto Tudo» blindados pelo terror fascista e hoje blindados pelo mercado garante da democracia, … Continue a ler A GUERRA COLONIAL NÃO ACABOU

VIVA O 1º DE MAIO – DIA INTERNACIONAL DO TRABALHADOR

CGTP-IN promove concentrações em todo o país de luta por melhores condições de vida e de trabalho e em homenagem às mulheres e homens que lutaram e continuam a lutar contra a exploração. Todo o apoio às reivindicações e lutas dos trabalhadores e à exigência de revisão da legislação laboral, contra os salários baixos, o desemprego e a precariedade. AÇORES Angra do Heroísmo » 10h00 … Continue a ler VIVA O 1º DE MAIO – DIA INTERNACIONAL DO TRABALHADOR

O 25 DE ABRIL E A POBREZA QUE PERSISTE *

Pode ler-se nos almanaques. Abril vem do latim Aperire, abrir: é o mês em que abrem os botões. Com o 25 de abril de 1974, pontuado por vistosos cravos, abriu-se um ciclo de esperança para os portugueses. A sucessão de desfavores que a maioria de portugueses vivia já vinha de longe, o que a partir a partir do século XIX resultou em grandes levas de … Continue a ler O 25 DE ABRIL E A POBREZA QUE PERSISTE *

O combate à extrema-direita começa no combate à pobreza e às desigualdades sociais! *

A esquerda tem de estar aonde deve: ao lado de quem trabalha ou trabalhou ao longo de uma vida, dos desempregados/as, dos/as trabalhadores/as precários/as, dos/as reformados/as e pensionistas que têm reformas e pensões de miséria, dos/as que não conseguem pagar a renda de casa ou amortizar o crédito à banca. Deve estar ao lado do trabalho contra o capital! Parece que para alguns/mas a luta … Continue a ler O combate à extrema-direita começa no combate à pobreza e às desigualdades sociais! *

35 anos de Chernobyl: “Nuclear, Não Obrigado!”

O gigantesco desastre nuclear de Chernobyl começou às primeiras horas da manhã de 26 de abril de 1986. O núcleo do reator 4 da central nuclear de Chernobyl na Ucrânia (ex-URSS) entrou em fusão e explodiu. Os efeitos foram brutais e realmente incomensuráveis. Fizeram-se, e ainda se fazem e far-se-ão sentir durante longos anos. Os números oficiais de mortos continuam a ser 31 – aqueles que … Continue a ler 35 anos de Chernobyl: “Nuclear, Não Obrigado!”

O desafio ao PS traria eleições antecipadas?

O desafio ao PS para um novo caderno de encargos a meio da legislatura anterior seria uma proposta para definir novas metas e clarificar a autonomia do Bloco, face a um PS que se virava para a ortodoxia do défice e para a fixação das leis laborais definidas pela troika. A mais de dois anos das eleições, o PS não arriscaria uma crise mas, caso … Continue a ler O desafio ao PS traria eleições antecipadas?